sábado, 31 de maio de 2014

31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco

Fumar é prejudicial à saúde – de diversas formas. Os prejuízos à saúde são tantos que o tabagismo é considerado um problema mundial de saúde. Para alertar a população sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) criou o "Dia Mundial Sem Tabaco", comemorado no dia 31 de maio.
Neste ano, a campanha busca sensibilizar os governos a aumentarem os impostos sobre o tabaco, consequentemente aumentando seu preço e desincentivando seu consumo. A organização estima que um aumento dos impostos do tabaco em 50% em todos os países reduziria o número de fumantes em 49 milhões nos próximos três anos, podendo salvar até 11 milhões de vidas.
Seis milhões de pessoas no mundo morrem todo ano devido ao uso do cigarro, segundo o relatório  "Epidemia Global do Tabaco 2013" da OMS. No Brasil, o Inca aponta que cerca de 12% da população adulta brasileira consome tabaco em suas diversas formas (cigarro, charuto, cigarro de palha, rapé ou fumo-de-rolo) e 200 mil morrem anualmente devido ao tabagismo.
"Todo cigarro faz mal à saúde, não importa a marca ou o tipo. E os prejuízos à saúde são vários, indo desde alterações no paladar ao câncer de pulmão", alerta a pneumologista Suzana Pimenta, do Hospital 9 de Julho.
Saúde em risco
O cigarro pode causar cerca de 50 doenças diferentes, em várias partes do organismo. Uma das primeiras áreas do corpo atingidas pelo tabagismo é a boca, porta de entrada das sustâncias tóxicas presentes no cigarro.
Fumar modifica o hálito, irrita a gengiva, facilita o surgimento de cáries e altera as papilas gustativas, afetando o paladar. Além disso, aumenta o risco de desenvolver câncer de boca.
O órgão mais afetado pelo tabagismo é o pulmão. As substâncias tóxicas inaladas fazem os tecidos dos pulmões perderem elasticidade, o que causa uma degeneração parcial de sua estrutura. O resultado são problemas como bronquite, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e câncer. De acordo com o Inca, o tabagismo é responsável por 85% das mortes causadas por bronquite crônica e DPOC e 90% dos casos de câncer de pulmão.
O coração e a circulação também são prejudicados. Fumar diminui a espessura dos vasos sanguíneos, faz com que o corpo absorva mais colesterol, reduz a concentração de oxigênio no sangue e eleva a pressão arterial e a frequência cardíaca, que sobe até 30% durante as tragadas. Isso aumenta significativamente o risco de desenvolver hipertensão, aneurismas, tromboses, varizes, infartos e angina. De acordo com o Inca, 25% das mortes por doença coronariana e 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio em pessoas com menos de 65 anos são causadas pelo tabagismo.
Cérebro, fígado e estômago também são afetados pelo tabagismo. Os vasos comprimidos, a qualidade de sangue prejudicada e o aumento da pressão arterial podem levar a um derrame cerebral. A nicotina e outras substâncias tóxicas presentes no cigarro são metabolizadas pelo fígado e pelo estômago, o que pode causar gastrite, úlcera e até mesmo câncer.
A lista de problemas causados pelo tabagismo não para por aí, e ainda inclui osteoporose, catarata, impotência sexual, infertilidade, menopausa precoce, complicações na gravidez e vários tipos de câncer.
O câncer, aliás, é um capítulo à parte. Isso porque o tabagismo está relacionado ao desenvolvimento de câncer de pulmão, boca, faringe, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e de leucemia. Para se ter uma ideia da dimensão do problema, 30% das mortes decorridas por esses tipos de câncer (tirando o câncer de pulmão) são causadas pelo tabagismo. Em se tratando apenas do câncer de pulmão, o tabagismo é responsável por 90% dos casos da doença, causando cerca de 1,4 milhões de morte anualmente no mundo todo.
E não é só quem fuma que é prejudicado: as pessoas que convivem com os fumantes também são. "Os fumantes passivos têm um risco alto de desenvolver câncer de pulmão, infarto do miocárdio e até ter alterações na gestação, entre outros problemas de saúde", aponta o pneumologista Ubiratan de Paula Santos, médico da Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas e professor da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP).
Quem convive com fumantes têm um risco 30% maior de desenvolver câncer de pulmão e 24% maior de ter infarto. Segundo dados da OMS, aproximadamente dois bilhões de pessoas são vítimas do fumo passivo no mundo. Destas, 700 milhões são crianças, que sofrem com maior incidência de bronquites, pneumonia e infecções de ouvido, entre outras doenças. No Brasil, as crianças são 40% das vítimas do fumo passivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEMANA MUNICIPAL DO TRÂNSITO - VIÇOSA/RN

De 23 a 25 de Setembro Trânsito, o sentido é a vida: Educar para Preservar! A Prefeitura Municipal de Viçosa/RN, através da Sec...