quinta-feira, 27 de junho de 2013

A proposta de Dilma é para enganar os trouxas.

Com todo o respeito merecido, mas a montanha gerou um rato.
As propostas da presidente Dilma aos governadores e prefeitos das capitais, ontem, tiveram o sabor das meias-solas com que tempos atrás os sapateiros faziam a felicidade da classe média. Começa que os convidados não puderam exprimir seus pontos de vista. Limitaram-se a meros ouvintes de um discurso vago e fantasioso onde faltou o principal, ou seja, como implementar mudanças e reformas apenas enunciadas.
Tome-se a principal referência, transmitida em mera sugestão para o futuro: a convocação de uma Assembléia Constituinte Exclusiva para realizar a reforma política. A chefe do governo recomenda um plebiscito para o eleitorado decidir sobre uma inconstitucionalidade, mas não define como e quanto essa consulta popular se realizaria.
De imediato, quer dizer, com imprescindíveis meses de preparação? Ou junto com as eleições gerais do ano que vem?
Quem poderá candidatar-se? Os atuais deputados e senadores que certamente disputarão a reeleição em 2014? Aqueles que tiverem sido derrotados em pleitos anteriores, demonstrando a queda de nível da representação? Ou haverá a possibilidade desse histriônico acúmulo de funções? Constituintes exclusivos de manhã, parlamentares de tarde? Que tal a discriminação elitista de poderem integrar a Constituinte Exclusiva apenas os bacharéis em Direito? Os professores com livros publicados, mas será preciso saber se suas edições não encalharam?
Mas tem mais. Muito mais. Funcionando ao mesmo tempo, o Congresso e a Exclusiva poderão bater de f rente. Se esta votar a proibição de doações particulares nas campanhas eleitorais e aquele determinar a possibilidade de as empresas continuarem contribuindo para os candidatos, presume-se que prevaleça a decisão dos exclusivos, mas se logo depois ou ao mesmo tempo deputados e senadores utilizarem seu poder constituinte derivado, cláusula pétrea da carta de 1988, que decisão prevalecerá?
Quem convocará a Constituinte Exclusiva? O próprio Congresso, caso o plebiscito se manifeste a favor? Mas se a maioria parlamentar recusar-se a gerar esse filho espúrio, deverá o Executivo sobrepor-se ao Legislativo, quem sabe através de um Ato Institucional? Quanto ao Judiciário, na hipótese de conflito entre as duas instituições, reivindicará o poder decisório?
Surgem outros obstáculos: onde se reunirá a Assembléia Constituinte Exclusiva? Quantos integrantes terá? Se for em Brasília, talvez no estádio Mané Garrincha, enquanto a Copa do Mundo de Futebol não começar. Quem arcará com as despesas, quantos funcionários trabalharão nela?
Em suma, a principal proposta da presidente Dilma compõe uma farsa daquelas destinadas a enganar os trouxas. Será uma reverência a mais que sucessora faz ao antecessor, porque essa idéia absurda foi pela primeira vez levantada pelo Lula, anos atrás. Uma forma de enxugar gelo e de ensacar fumaça, enganando não se sabe quem, porque a juventude que foi e continua nas ruas quer a reforma política, ainda que prefira educação e saúde mais eficientes, assim como efetivo combate à corrupção.
Se fosse para promover a reforma política, no entanto, ao contrário dessa enganação, bastaria a presidente convocar ao seu gabinete os líderes e dirigentes dos partidos de sua base, deixá-los a pão e água enquanto não se entendessem e chegar a um elenco de mudanças político-eleitorais capazes de formar novas instituições. A maioria de que o g overno imagina deter votaria o projeto em quinze minutos. Caso contrário, melhor seria que todos renunciassem. Porque pretender que o governo tem maioria quando não tem, impõe, no mínimo, uma nova maioria. Ou um novo governo…

Por Carlos Chagas
Fonte: Mural de Riacho da Cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

No Dia Mundial da Saúde, uma homenagem aos profissionais que atuam no cuidado da população

Os profissionais de saúde estão na linha de frente da batalha diária travada nos hospitais, clínicas e postos de atendimento, desempenhan...